sexta-feira, 16 de maio de 2008

eu, Cadeira

surpreenda-se você
eu, uma cadeira
pálida amargura
disputar espaço com mesas de bilhar
jogos acontecem acima de minha cabeça
eu, para servir
olhe-me
pareço com uma cadeira?
sou de madeira
ôca?
não-ôca
apesar de não parecer
presto votos de castidade
eu, para obedecer
mas sempre apagam a luz
me deixam com as mesas
cadeiras também andam
realizam o inimaginável
pena nossos donos nos desprezarem
consideram-nos meras coisas
coisificam-nos
eu, agora coisa
pareço com uma coisa?
apague a luz do seu quarto
esconda-se
veja-a secretamente
ela vai se mexer
eu, me mexo
algum dia, quem sabe?


2 comentários:

Anônimo disse...

Olha eu aquiii! =]
vc gosta de cadeiras, hein!?
auhsuahs

beeijo, saudade sempre! =**

vanessa disse...

Ben meu amor...
só to aqui pq te amum e isso basta vc não acha?!

bjim!!!