quinta-feira, 15 de maio de 2008

fINALMENTE, MINHAS cadeiras


aNTES DE COMEÇAR, DEVO REPETIR: eu não escrevo para encontrar o sorriso no rosto dos outros. eu escrevo por mim e para mim. se eu quisesse sorrisos, seria palhaço. mesmo assim ainda não coseguria o sorriso mais importante: o meu. escrevo por que sinto que devo me expressar e só me basta que eu me entenda. o resto é resto.. eSSA PAIXÃO PELAS quadrúpedes É CASO ANTIGO. mE LEMBRANDO DE UMA AULA DO PROFESSOR DE pORTUGUÊS PARA cOMUNICAÇÃO, nILTON rEZENDE, ONDE ELE DISSE QUE DEVEMOS FAZER A LEITURA, PRINCIPALMENTE DE POESIAS, DE MANEIRA QUE NÃO USEMOS AS NOSSAS pré-noções (MALDITAS PRÉ-NOÇÕES), PARA QUE ASSIM, NÃO VEJAMOS O TEXTO DO NOSSO MODO E SIM DO JEITO QUE O TEXTO QUER SER LIDO!!! bem...SENTI QUE DEVIA ESCREVER ESSE ANTES DE PÔR A verdadeira cadeira AQUI. tODOS PENSAM NA CADEIRA, QUANDO EU FALO NELA, COMO OBJETO ""Cadeiras também andam, realizam o inimaginável. Pena seus donos as desprezarem por considerá-las meras 'coisas' de decoração". eSSA CADEIRA SOU EU. è LOUCURA, EU SEI. mAS SOU EU. aNTES DE ESCREVER, SEMPRE PENSO EM ALGO INTERESSANTE E DEPOIS REPASSO ESSE PENSAMENTO PARA UM OBJETO QUE ME LEMBRE O QUE EU PENSEI. pensei em mim, NUM MOMENTO BEM PECULIAR DA MINHA VIDA E QUIS IDEALIZAR ALGO Q ME REPRESENTASSE, PARA QUE EU ME ESCREVESSE SEM ME SENTIR OFENDIDO POR MIM MESMO. oLHEI A cadeira, CHEIA DE BAGULHOS, JOGADA NO CANTO DIREITO, NO FUNDO DO MEU QUARTO. pOR UM MOMENTO, ELA SE PARECEU COMIGO. nÃO SEI PORQUE ISSO ME OCORREU, MAS COMECEI ASSOCIÁ-LA A MIM: jogado num canto, servindo de encosto pros outros, subestimado...PUTZZZZZZZZZZZZ!!!! tÔ PARECENDO UM MANÉ CARENTE KKKKKK...mAS NAQUELA ONDA DE 12 ANOS, VIXE! mAS FOI BOM, VENDO AGORA. sEI QUE NÃO TEM ALGUÉM ME LENDO NESSE MOMENTO, TALVEZ SEJA POR ISSO QUE ME SINTO TÃO A VONTADE PRA FALAR. sOU UMA CADEIRA PORQUE FUI SUBESTIMADO COMO UMA CADEIRA QUE NÃO TEM VALORES NENHUM, SOMENTE OBRIGAÇÃO DE SERVIR DE ACENTO PARA ALGUÉM. pEGO UMA CADEIRA E PONHO ELA NO MEU QUARTO, MAS SE ME CANSO DELA, PONHO-A NA COZINHA. cadeiras também andam/apague a luz do seu quarto/esconda-se/veja-a secretamente/ela vai se mexer/algum dia quem sabe?

2 comentários:

Lívia disse...

Gostei Biúuu... Muito interessante o que vc escreveu. Continue... Vc será um escritor maravilhoso tenho certeza.

william disse...

ahhhh, agora entendi essa da cadeira. (eu acho).

Ben-Hur, todos nós, sem dúvida, temos alguem em que podemos "confiar nossas vidas" aqui na terra - são nossos amigos, ou pelo menos um em quem vc pode confiar plenamente - mas, se por acaso esse amigo terrestre vier a falhar, pode recorrer ao grande amigos q todos nós temos e q nunca nos deixa, JESUS, então vc nunca será como uma cadeira inanimada, jogada no canto do quarto.
abraço