domingo, 25 de maio de 2008

o ILUSTRE INVISÍVEL

cá estou eu
calção rasgado no fundo
os azulejos me perceberam
ouvi vozes
misto de sensações que não fazem sentido
o tato não me toca
o olfato não me percebe
o paladar não me...
a audição não me chega
mas os olhos
ah! os olhos
me maltratam
visão que não me enxerga
não me reconhece
estou a um palmo
não me vê
parece não adiantar as minhas lágrimas
zunindo de uma elipse para outra
nada!
definitivamente nada
ótica
sou tão importante
sou tão necessário
mas não sou adquirido
olhos que tapam meus ouvidos
belos olhos que lambem meu pescoço
eu, o invisível, voltarei
mas cedo ou tarde
agora é tarde para buscar outro alguém

Um comentário:

Sara Albuquerque disse...

Profundo, hein? Confesso que fiquei um pouco confusa. rsrsr. :)
Mas gostei muito do seu estilo. ^^

Abração, Ben Beemmm grande! rsrsr

:**